19 de junho de 2008

Réu confesso vai a julgamento


"Sobre um chão de sangue e violência ceifaram-lhe a vida. Nossos corações saudosos pulsam por justiça."

Nirvana Evangelista da Cruz, 28 anos, teve a vida interrompida brutalmente, pelo ex namorado Mario Tasso Serra Júnior no dia 05/07/2007 em Belém do Pará. Nirvana já havia denunciado à polícia que era vítima de agressões, mas a Justiça arquivou o processo. Na época, a juíza Inácia Salgado Frias considerou a denúncia insignificante para movimentar a máquina do judiciário.

Qualquer ato de violência baseado na diferença de gênero, que resulte em sofrimentos e danos físicos, sexuais e psicológicos da mulher; inclusive ameças de tais atos, coerção e privação da liberdade seja na vida pública ou privada é considerada violência contra a mulher segundo a ONU. (extraido da comunidade Nirvana Frágil Rosa)

Bem articulado, o Movimento Nirvana Frágil Rosa, estará reunido, junto com outros movimentos, no próximo dia 26/06 no Tribunal de Justiça do Estado para exigir a punição do réu confesso do Assassinato da bela Nirvana Evangelista da Cruz de 28 anos, durante o julgamento do mesmo.

Convidamos a tod@s para darem esta força à família e aos amigos que se mostraram incansáveis na luta por justiça. A dedicação deles é combustível para todas as outras famílias do movimento Paz em Belém.

Postado por Edson Jr.

Um comentário:

Wilson disse...

Eu lembro com saudades dessa garota desde que era recem nascida, pois ela era a filha de minha prima. Os anos se passaram e perdemos contato tive que sair de Belém e depois de passar por varios estados estou no momento residindo em Brasília. Fica então um sentimento de que a justiça foi feita, sera? ao ver diversos depoimentos de meui imão, tios e tias, amigos em fim... e quando em uma materia do jornal O LIBERAL em que a promotora do caso afirma que a lei Maria da Penha fora cumprida, eu discordo pois se realmente as autoridades do estado do Pará tivesem dado mais importancia para a dita lei, uma tam jovem vida poderia ter sido poupada uma vez qua a Nirvana fez um BO na delegacia da mulher e o que nada foi feito com o senhor Mario que é de uma família influente em Belém. Agora vejam so como as coisas aqui por Brasìlia são diferente, pois com migo foi diferente, a minha ex-esposa de uma forma mentirosa e vil denunciou-me para a justiça, sem nem pelo menos ter tido feito um BO ou um exame de corpo de delito, de que eu havia cruelmente à espancado, pois tam somente passei em minha residencia para pegar petences pessoais, e eu é quem fui agredido(comunidade homens agredidos por suas esposas), foui chamadoem em juizo e depois de apresentar minha defesa ainda fiquei obrigado a me manter distante 250 mwtros, não manter qualquer tipo de contato, sob pena de ser imediatamente preso.
Em fim o que quero dizer e que no casa Nirvana por que o Estado não tomou as providencias cabiveis uma vez que houve evidencias conta o senhor Mario.
Na minha otica o Estado tmabem deveria sentar no banco dos réus.